como curar a ansiedade
Ser leve

Ansiedade, o mal desse tempo

Na correria do dia a dia, entre a pressão do trabalho e nossa busca pessoal por sermos perfeitas em todas as áreas, muitas de nós, tanto a beira dos 30 anos ou já com 30, 30 e poucos anos, nos esbarramos com a ansiedade e até com grandes crises. Por isso nosso post de hoje é para entendermos o que ocorre com a gente e o que fazer se perceber que a ansiedade veio te incomodar e decidir por uma vida e uma rotina leve.

Como descobrir se estou com ansiedade?

A ansiedade pode ser definida como um sentimento intimo de apreensão, mal estar, preocupação, angustia e/ou medo, acompanhado de um despertar físico intenso.

“Pode surgir como uma reação a um perigo especifico identificável ou em resposta a um perigo imaginário. A pessoa sente que alguma coisa terrível vai acontecer, mas não sabe o que é nem o porque. Ansiedade é antecipação de ameaça futura.” comenta Ana Maria Regina D`Ambrosio, psicóloga.

À partir de que momento a ansiedade se torna doença?

A ansiedade moderada se manifesta quando existe uma ameaça real ou situação de perigo. A ansiedade é proporcional ao perigo (quanto maior o perigo maior a ansiedade). Ela pode ser reconhecida, controlada e reduzida especialmente quando as circunstâncias exteriores se modificam.

“A moderada talvez seja desejável e sadia. Ela com frequência motiva e ajuda as pessoas a evitarem situações perigosas, levando a um aumento na eficiência.” diz Ana

A ansiedade intensa envolve sentimentos intensamente exagerados de desespero e medo, mesmo quando o perigo é pequeno ou inexistente. A ansiedade intensa pode diminuir nosso período de atenção, dificuldade de concentração, afetar a memória de modo negativo, a capacidade de realização, interferir com solução de problema, bloquear a comunicação eficaz, despertar o sentimento de pânico e algumas vezes causar sintomas físicos indesejáveis.

Como tratar a ansiedade?

“Através da terapia cognitivo-comportamental utilizamos técnicas (de respiração, relaxamento, descatastrofização, etc) para amenizar a ansiedade. Há três elementos: pensamento, emoção e comportamento que estão interligados entre si, muitas vezes levando a ciclos viciosos. Por exemplo, a emoção de ansiedade pode desencadear pensamentos ansiosos e também estes pensamentos de desastres eminentes podem provocar mais sentimentos de ansiedade.” continua.

Na terapia mudam-se aos poucos e a pessoa aprende a ter controle dos pensamentos, emoções e comportamento gerados em função da ansiedade intensa.

contra-a-ansiedade

Como a ansiedade pode mudar minha vida, em que atrapalha

Não devemos presumir que ansiedade seja sempre má. Quando ela não existe, a vida pode ser aborrecida, ineficiente e insatisfatória. Uma certa ansiedade, nem muita, nem pouca de mais, nos motiva e acrescenta sabor a vida. Quando a ansiedade é excessiva começamos a experimentar reações prejudiciais físicas, psicológicas e defensivas.

Reações físicas: a ansiedade pode provocar úlceras, dores de cabeça, alergia na pele, dor nas costas, tensão muscular, fadiga crescente, insônia, gastrite, etc. Quando esses problemas persistem por muito tempo o corpo começa a ressentir-se da pressão. Esta é a origem das doenças psicossomáticas (cujas causas são psicológicas)

Reações psicológicas: a ansiedade reduz o nível de produtividade, sufoca a criatividade e originalidade, prejudica a capacidade de um bom relacionamento com outros e interfere com a habilidade de pensar ou lembrar.

Reações defensivas: incluem negativa da ansiedade, pretender que a situação causadora da mesma inexiste, culpar os outros por uma falta que é realmente da pessoa ansiosa, racionalizar mediante a explicação lógica dos sintomas e suas causas, voltar às reações infantis, etc. Algumas vezes as pessoas ansiosas fogem através do álcool, drogas e diversas queixas hipocondríacas.

Como ajudar alguém com ansiedade?

Primeiro reconhecer a ansiedade. Após isso, encoraje a pessoa ansiosa a procurar tratamento, o mais aconselhável é a TCC (terapia cognitivo-comportamental). Junto com a psicoterapia pode haver a necessidade de acompanhamento psiquiátrico com medicamentos.

“A psicoterapia envolve conversar com o psicólogo para descobrir o que causa o transtorno de ansiedade e como lidar com os sintomas e aprender a ter controle dos pensamentos, emoções e comportamentos que prejudicam a pessoa ansiosa e aos que estão próximos.” finaliza.

Ana Maria Regina D’Ambrosio
Psicóloga

CRP: 06/39478
Tel. 11 51023493

Leia Também

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby feather

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *